Partilhe esta página:

lxciac-pattern-Waves
lxciac-pattern-Lines 3-2 H
lxciac-pattern-Round L
Música
Capitólio

Concerto de Encerramento

Passado e Presente - Lisboa, Capital Ibero-americana de Cultura 2017

16 Dezembro, sábado, às 21h00
Angola, Colômbia, Costa Rica, Portugal

Um dos aspectos mais insólitos e simultaneamente graciosos que aconteceram permanentemente este ano durante o decorrer desta programação era o de estarmos a viver continuamente em tempos sazonais antagónicos; nas viagens, na correspondência, nas roupas dos viajantes pois quando era Inverno em Lisboa e em Madrid era verão em S.Paulo, Patagónia e Montevideu, quando assinalámos a primavera nos emails de Março, do outro lado do Atlântico Sul falavam-nos de como os dias já eram mais curtos e, assim, estávamos sempre, não só entre territórios diferentes, mas estações do ano antípodas.

Agora, dia 16 de Dezembro, no final do nosso Outono em Lisboa muitos dos nossos convidados virão da primavera trazendo na bagagem as roupas quentes que tinham guardado. E assim, o quase inverno para nós, europeus, é quase verão para os nossos visitantes das Américas.

16 de Dezembro
Probus Ensamble - Costa Rica
Maria Mulata - Colômbia
Dj-Maboku - Portugal / Angola

ENTRADA LIVRE, COM INGRESSO, ATÉ AO LIMITE DA LOTAÇÃO DA SALA.
LEVANTAMENTO DE INGRESSOS, ATÉ 2 POR PESSOA, NO DIA 16 DE DEZEMBRO, NA BILHETEIRA DO CINEMA SÃO JORGE A PARTIR DAS 13H00 E ATÉ ÀS 19H00.


Probus Ensamble - Costa Rica


Sobre Probus Ensamble que vem de S.José da Costa Rica escreveu o crítico musical Alberto Zuñiga: “ O PROBUS é uma experiência sensorial intensa que resulta de um compromisso invulgar com o rigor da técnica que servida por uma execução instrumental invulgar permite uma liberdade interpretativa que é determinante para essa sensoralidade que o qualifica.

Quando ouço as obras que executam e os formidáveis arranjos de Fidel Gamboa Goldenberg experimento um reencontro com o habitat natural do meu país, imerso nesta zona geográfica mesoamericana entremeando os dois grandes territórios da América Latina. Com este quarteto de cordas e o seu extraordinário ingrediente vocal lembro as imagens da nossa floresta chuvosa, húmida e saturada de tons verdes como me apercebo das extensas e quentes pampas dos entardeceres eternos assim como da tropicália das costas dos dois oceanos.

Iván Rodríguez R.- violino
Camila Ramírez - violino
Naamán Muñóz S.- viola
Gabriela Alfaro- violoncelo
Daniela Rodríguez- voz
Carlos Tapado Vargas- percussão


Maria Mulata - Colômbia
Cantora e compositora nasceu numa aldeia dos Andes colombianos a poucos quilômetros do rio Magdalena, no seio de uma família onde a música fazia parte do quotidiano e onde se cantava corredores e bambucos andinos, cumbias, porros e caminhadas vallenatos acompanhados pelo acordeão do seu pai. Haveria mais tarde de fazer uma formação musical como cantora lírica, mas sua inquietação levou-a a dedicar-se à recolha das contribuições dos afro-descendentes para a cultura deste país do café e para as tradições dos cantos destes seus antepassados. E o seu empenho e dedicação tornaram-na na grande descendente desta cultura musical e de tal forma o foi que ela acabaria por tomar como seu nome artístico o nome de um dos pássaros emblemáticos da costa caribenha colombiana e começa a cantar no palco com o nome de Maria Mulata.

DJ Moboku - Angola / Portugal
Recentemente a revista de crítica musical i-D, estampava um grande título: Divirtam-se! O som dos bairro de lisboa não vai parar….
O longo artigo que tinha este título era dedicado a um conjunto de DJs, a maioria dos quais afro-descendentes a tocarem que tinham enveredado por outras músicas que já não cabiam nas discotecas de música africana. E a curiosidade maior era que os mesmos não viviam nos bairros de Lisboa mas sim nos bairros periféricos de Lisboa e mesmo de outras cidades e vilas que confinam com a capital mas já não são da capital. E não sendo sequer conhecidos em Lisboa circulam por Estocolmo, Amesterdão, Londres e também Ofir e Braga. Ou seja, não sendo do Centro (da capital) impuseram - por força do seu talento e dos públicos que os acompanham – outros centros. Do bairro do Pendão a Paris é apenas uma curta viagem.

DJ Maboku é dos protagonistas desta revolução musical, desta confusão de territórios. Nascido em Angola mas desde criança a viver no Bairro do Pendão, em Queluz, Maboku é um DJ exímio cujo estilo de mistura ao vivo é um assombro de vibrância polirítmica, serena mas maravilhosa partilha de uma energia criativa inspiradora, que tem seduzido com propriedade todas as pistas de dança por onde tem espalhado o seu talento.