Partilhe esta página:

lxciac-pattern-Lines 3-2 V
lxciac-pattern-Triangle TR
lxciac-pattern-Lines 3-3 V
lxciac-pattern-Round L
lxciac-pattern-Triangle BL
Teatro
Maria Matos Teatro Municipal

Teatro Niño Proletário (Chile) e alunos da ESTC (Portugal)

De 5 a 9 de Julho
Chile, Portugal

Todos os anos, o Teatro Maria Matos se associa à Escola Superior de Teatro e Cinema para a produção e apresentação do espetáculo dos finalistas da licenciatura em Teatro. No contexto do programa Lisboa Capital Ibero-americana de Cultura 2017, o Teatro Maria Matos convidou o Teatro Niño Proletario, do Chile, para acompanhar e dirigir a encenação de uma obra a construir pelos estudantes. Estarão connosco Luis Guenel Soto, Francisco Medina Donoso e Catalina Devia Garrido.

A companhia Teatro Niño Proletario constituiu-se em 2005 como um núcleo de investigação e criação artística, formado por Luis Guenel Soto, Sally Campusano, Francisco Medina Donoso e Catalina Devia Garrido. O seu nome alude ao texto homónimo do escritor argentino Osvaldo Lamborghini, um relato cru e sintético da vida de miséria de uma criança e da sua impossibilidade de irromper com o círculo de pobreza e discriminação. Estes são os temas que movem o trabalho desta companhia e a base de uma investigação centrada na busca de fraturas sociais que desvelem a identidade de quem é posto à margem.

A partir de temas como o território, a memória, o género, as classes sociais, o popular e a identidade, o Teatro Niño Proletario levou à cena as obras Hambre, Temporal, El Olivo, El Otro e Barrio Miseria, com as quais desenvolveu uma linguagem própria, desafiando ainda destacados atores chilenos a fazer parte desta experiência.

As suas obras foram apresentadas nos principais festivais de artes cénicas chilenas: FITAM Santiago a Mil, Festival Cielos del Infinito, Festival Internacional de Teatro Zicosur de Antofagasta, Festival de Invierno de Calama; e também em circuitos internacionais, tendo os seus espetáculos El Olivo e El Outro viajado pela Bélgica, Holanda, Espanha, Itália, Brasil, Bolívia e Colômbia.