Este site usa cookies. Alguns cookies são essenciais para a correcta operação do mesmo e já foram configuradas.
Pode bloquear e apagar as cookies deste site mas algumas partes poderão não funcionar correctamente.

Lisboa e conexões

< VOLTAR

Mateluna

Maria Matos Teatro Municipal
De 15 a 17 Fev - 21.30H

Estreia na quarta-feira, dia 15, no Teatro Municipal Maria Matos, no contexto da programação de Passado e Presente – Lisboa, Capital Ibero-americana de Cultura, a última obra de teatro escrita e encenada por Guillermo Calderón - Mateluna.

De Calderón viu-se em Lisboa, Neva (2010), Villa + Discurso (2011) e Escuela (2014).

Escuela é aliás, a obra que está no início de Mateluna (2016) na medida em que o autor e os actores comuns às duas obras se interrogam sobre as consequências das acções de guerrilha urbana durante a ditadura de Pinochet preparadas nas escolas clandestinas, o tema de Escuela, e o destino dos militantes dessa luta urbana, de entre os quais Jorge Mateluna que foi um testemunho fundamental para a escrita de Escuela.

Com uma dramaturgia clara mas elaborada, o grande tema desta obra é a justiça e as múltiplas formas que a mesma pode realizar-se ou, pelo contrário, ser substituída pela injustiça. Por isso, a primeira pergunta da obra expressa a questão: para que um povo seja livre quanto vale a vida de uma pessoa, de um cidadão anónimo? Vale a sua morte, o corpo cravado de estilhaços de uma bomba artesanal? Ou o sacrifício do guerrilheiro que se imola para que uma criança não morra? É uma pergunta face à qual, e numa situação de ditadura, as respostas foram múltiplas e todas elas justificando-se pela justiça.

Também a restante narrativa nos interpela, espectadores, sistema da justiça. Aparelho do estado sobre o valor da verdade na decisão justa e face à qual a vida de Jorge Mateluna é o caso real. Para realizar a obra o autor e actores recorreram a documentos reais, oficiais, gravações e outros testemunhos mas não estamos no teatro documental porque a obra deslizando de uma escrita dramatúrgica teatral, de um terreno de encenação e de representação passará sem que demos por isso para a vida real, intervindo nesta, sem recuo possível. Com Mateluna o teatro intervém expressa e propositadamente na vida real e pode repôr a justiça na cidade.