This site uses cookies. Some cookies are needed for its performance and have been stetled.
You may block or erase cookies but the site’s performance might be affected.

Lisbon and connections

< RETURN

Além do Paraíso



Al Final del Paraíso é um testemunho gráfico do nosso tempo. O seu carácter híbrido permite que signos, símbolos e imagens, tanto históricos ou políticos como também da cultura contemporânea, se mesclem num contínuo processo de transformação. Os contactos são geradores de fricções, reajustamentos e campos de tensão nos quais é difícil encontrar um lugar confortável ou silencioso. Aqui, elementos relacionados com a identidade nacional, a memória e a vida quotidiana aparecem com outros elementos como a sátira e a invectiva. A presença destas faz do mosaico iconográfico algo de complexo mas também de lúdico, esquivo, fresco e, acima de tudo, crítico, actual.

Demián Flores (Juchitán, Oaxaca, 1971) tem centrado a sua actividade artística na experimentação de diversas técnicas e linguagens gráficas. O labor de Flores tem-se caracterizado por provocar choques e contágios entre esferas de produção cultural distintas e por manter um diálogo activo com o contexto sociopolítico da sua terra natal, situada no sul do México. No seu trabalho existe uma prática constante de edição, de recuperação, de recorte e montagem, de apropriação, dando origem a um vastíssimo repertório de imagens e possíveis vias de investigação sobre o porvir da arte gráfica contemporânea.

Com as descobertas geográficas do século XVI e o aparecimento, à época, do “Novo Mundo”, a ideia sobre a existência do Paraíso assumiu novas formas e reconhecimentos. O encontro deslumbrou os europeus, cujo contacto com aquelas terras longínquas ocorreu através dos escritos realizados, primeiro, pelos descobridores e depois, pelos conquistadores. Foram eles os cronistas desta nova realidade que cativou o homem ocidental e também que projectaram nos territórios recentemente descobertos as suas ideias utópicas e crenças religiosas, dando forma a um Paraíso Terrestre, idealizado e povoado de estranhas criaturas.Frei Bartolomeu de Las Casas mencionou nas suas crónicas que os habitantes pareciam pertencer à Idade de Ouro: “são simples, sem malícia, repletos de amor para com os seus, desprovidos de qualquer ambição terrena”. Por outras palavras, Frei Bartolomeu cria ter encontrado o “bom salvagem”, aquele habitante de Arcádia que o mundo ocidental ansiava recuperar antes que se convertesse num inimigo hostil, capaz das piores atrocidades; o fim do Paraíso havia sido consumado. Na ordem moral, era inventada a América. Uma vez ultrapassado o questionamento sobre a origem humana dos nativos, havia então que evangelizá-los e em simultâneo, fazê-los merecedores de um outro Paraíso, o Celestial. Tinha, assim, início a realidade do México, que a sangue e fogo perdura até aos nossos dias.