This site uses cookies. Some cookies are needed for its performance and have been stetled.
You may block or erase cookies but the site’s performance might be affected.

Lisbon and connections

< RETURN

Uma viagem pelo universo ibero-americano ao longo de 2017



Por onde começar esta viagem pelo universo ibero-americano que vai durar todo este ano de 2017?

Haveria tantos princípios possíveis, tantos quantos os pontos de vista, tantos quantas as múltiplas narrativas construídas e em construção. Claro, que nem todas podem ter a mesma validade, porque como se diz em lógica há valores de verdade que determinam quando um argumento está correcto e é convincente.

Este começo, de qualquer modo, terá de ser anterior ao mapa ibero-americano, uma cartografia heterogénea, diversa, contraditória que só existe por convenção entre países que se designaram a eles próprios como pertencentes a esta cartografia cuja matriz seria ibérica. Estamos portanto a falar de uma origem em Portugal e Espanha, e onde as línguas portuguesa e espanhola seriam o sustentáculo desta reunião de países. Mais correctamente deve dizer-se que nos estamos a referir quer às marcas da expansão colonial, quer aos actuais entendimentos com mínimos denominadores comuns entre esses países.

Aceitemos no entanto que esta designação ibero-americana é recente e que a heterogeneidade é uma constante deste universo.

Por onde começar? pois, pode ser pela primeira estrofe de "A formação do céu e da terra", a cosmogonia dos índios da tribo Marube numa versão recolhida e traduzida por Pedro de Niemeyer Cesarino[1].

 

Vento de lírio-névoa

O vento envolvido

Ao vento de rapé-névoa

 

Há tempos flutua

Vento de lírio-névoa

Vai se revolvendo

E Koi Voã surge

 

[1] In Pedro de Niemeyer Cesarino, “Quando a terra deixou de falar”, Editora 34, S.Paulo, 2013